Empresa é condenada por acidente de trabalho com base em lei ambiental


A falta de segurança no trabalho pode ser equiparada a um problema ambiental. Foi com esse entendimento que 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG) para condenar uma empresa a indenizar por danos morais, estéticos e materiais, além de pagar os custos médicos, um cortador de cana que lesionou o braço em um acidente de trabalho. A empresa recorreu ao Tribunal Superior do Trabalho. Relator do caso no TRT-3, o juiz convocado Paulo Eduardo Queiroz Gonçalves, enquadrou o acidente no conceito de poluição, previsto no artigo 3º, inciso III, alínea "a" da Lei 6.938/1981, que regula a Política Nacional do Meio Ambiente. Ele considerou que o acidente foi consequência da falta de boas condições do meio ambiente de trabalho. O dispositivo citado diz que poluição é a degradação da qualidade ambiental resulta de atividades que, direta ou indiretamente, prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população. No caso, um cortador de cana sofreu um corte grave no braço, que atingiu um nervo, provocando lesão irreversível. Diante disso, buscou na Justiça do Trabalho uma indenização pelos danos sofridos. Em primeiro grau, a empresa foi condenada a pagar indenizações por danos morais e estéticos (R$ 20 mil), danos materiais (R$ 68 mil), além de ser obrigada a ressarcir as despesas médicas (R$ 24 mil). Responsabilidade objetiva A empresa recorreu, pedindo a exclusão de sua responsabilidade ou a redução do valor da indenização, sob a alegação de culpa exclusiva da vítima. Ao analisar o caso, o juiz convocado Paulo Eduardo Queiroz desconsiderou o argumento da companhia e explicou que a responsabilidade patrimonial do empregador por acidente ocorrido no meio ambiente produtivo é objetiva, conforme o artigo 14, parágrafo 1º, da Lei 6.938/81. Paulo Queiroz observou ainda que, de acordo com o princípio do poluidor pagador, responde objetivamente o empregador pela degradação do ambiente de trabalho, já que os custos decorrentes dos danos provocados ao entorno ambiental (incluindo os trabalhadores) devem ser internalizados. Acrescentou que a responsabilidade da empresa pelas condições do meio ambiente de trabalho é estipulada pelo artigo 17 da Convenção 155 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Sem saída Em sua argumentação, o relator da ação também apresentou alternativas de condenação para o caso julgado. Ele disse que se o ocorrido não pudesse ser enquadrado como responsabilidade objetiva, a empresa seria a responsável subjetiva por não ter comprovado a adoção de medidas preventivas. A punição seria concedida com base no artigos 157 da Consolidação das Leis do Trabalho e 7º, inciso XXII, da Constituição Federal, e na Convenção 155 da OIT. O juiz convocado destacou também que a empresa não forneceu tratamento adequado ao trabalhador, como verificado pelo perito oficial do juízo. Acrescentando que os equipamentos de proteção individual (EPI) fornecidos ao trabalhador (luva, botas, óculos, mangote e calça) não são suficientes para evitar a ocorrência de acidente, o magistrado disse que o cortador de cana era remunerado por produção, fator esse que também contribui para a ocorrência de acidente, uma vez que incentiva o corte com maior rapidez. O relator ainda apontou que cabia à empresa garantir a segurança e integridade física de seus prestadores de serviço, oferecendo a eles cursos, treinamentos e colocando supervisor ou técnico de segurança para acompanhar manobras perigosas. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRT-3. Clique aqui para ler o acórdão 0000679-94.2014.5.03.0100 RO Com as informações Conjur


MOVIMENTO GUANABARA VIVA REALIZA VISTORIA NAS PRAIAS ONDE OCORRERAM MORTANDADE DE PEIXES

Os conselheiros e técnicos do Movimento Guanabara Viva, do Instituto Eventos Ambientais – IEVA, estiveram hoje, (14.01.2016), em vistoria nas praias da Ilha do Governador ( Galeão e São Bento) e do Fundão,( para constatação dos possíveis danos e impactos ambientais que causaram a morte de milhares de peixes na Baia de Guanabara),  conforme o noticiado ontem pela grande mídia.

Dr. Franco Carrera
Da esq. para direita: Alexandre Gontijo, Prof. Felipe Brasil, Dr. Francisco Carrera, Prof. Lygia Sanchez , Dr. Flávio, David Ribeiro e Sandro Braga

 

Participaram da Vistoria, representantes do IEVA-Instituto Eventos Ambientais, CREARJ – Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do RJ, CRBio2 – Conselho Regional de Biologia da 2ª. Região, ONG Sentinela Ambiental e  Companhia  do Rio de Janeiro. Durante a vistoria, foram coletadas amostras de peixes, água e realizadas entrevistas  e vídeos com pescadores locais e moradores.

Toda a situação foi registrada e fotografada. A COMLURB,  estava presente e realizava a limpeza das praias  com a utilização de garis, máquinas e caminhões.  Segundo informações colhidas no local, os peixes podem ter sido descartados por pescadores que não se interessaram pelas espécies recolhidas, em razão da ausência de valor comercial e devolveram-nas ao mar, já mortas.

Parte dos pescadores locais contestam esta afirmação e negam esta prática. A Vistoria prosseguiu  em direção às praias da Cidade Universitária. A grande constatação foi no local denominado Praia de  Bom Jesus, onde  foram encontradas inúmeras manchas de óleo sobre a areia e água.

A ocorrência foi informada ao INEA e aos órgãos responsáveis pela fiscalização e controle ambiental. O Movimento Guanabara Viva, convidará o representante do INEA e da COMLURB para promoverem palestra esclarecedora sobre a situação constatada.

A Próxima reunião será no dia 27.01.2016, as 16:00h, no Auditório do CRBio da 2ª. Região.

Fotos da vistoria:

IMG_2838

IMG_2735

IMG_2841

 

 

Guanabara Viva

MOVIMENTO GUANABARA VIVA REALIZA VISTORIA NAS PRAIAS ONDE OCORRERAM MORTANDADE DE PEIXES

MOVIMENTO GUANABARA VIVA REALIZA VISTORIA NAS PRAIAS ONDE OCORRERAM MORTANDADE DE PEIXES

Os conselheiros e técnicos do Movimento Guanabara Viva, do Instituto Eventos Ambientais – IEVA, estiveram hoje, (14.01.2016), em vistoria nas praias da Ilha do Governador ( Galeão e São Bento) e do Fundão,( par...
Saiba mais
CONHEÇA O COMITÊ DE BACIA DA BAIA DE GUANABARA

CONHEÇA O COMITÊ DE BACIA DA BAIA DE GUANABARA

ACESSE AQUI INFORMAÇÕES SOBRE A BAIA DE GUANABARA
Saiba mais
ECOBARCO CAPTURA UM SOFÁ NA BAIA DE GUANABARA

ECOBARCO CAPTURA UM SOFÁ NA BAIA DE GUANABARA

UM SOFÁ FOI COLETADO PELO ECOBARCO DURANTE  A OPERAÇÃO DE LIMPEZA DA BAIA DE GUANABARA VEJA AQUI A REPORTAGEM
Saiba mais
view all

Guanabara Viva

Dr. Franco Carrera
Os conselheiros e técnicos do Movimento Guanabara Viva, do Instituto Eventos Ambientais – IEVA, estiveram hoje, (14.01.2016), em vistoria na...
MOVIMENTO GUANABARA VIVA REALIZA VISTORIA NAS PRAIAS ONDE OCORRERAM MORTANDADE DE PEIXES
logo_cbhbg
ACESSE AQUI INFORMAÇÕES SOBRE A BAIA DE GUANABARA
CONHEÇA O COMITÊ DE BACIA DA BAIA DE GUANABARA
ecobarco sofa
UM SOFÁ FOI COLETADO PELO ECOBARCO DURANTE  A OPERAÇÃO DE LIMPEZA DA BAIA DE GUANABARA VEJA AQUI A REPORTAGEM
ECOBARCO CAPTURA UM SOFÁ NA BAIA DE GUANABARA
lancamento guanabara viva
ASSISTA AQUI O VÍDEO DA CERIMÔNIA DE LANÇAMENTO DO MOVIMENTO GUANABARA VIVA
CERIMÔNIA DE LANÇAMENTO